As opiniões deste blog não representam, necessariamente, o conjunto dos pastores batistas: homens ou mulheres.

sábado, 24 de junho de 2017

48 deslumbramentos

Uma cerca sem fim dividia as terras de minha infância. De um lado, por quilômetros, um verde infinito. De outro, pedras, água, casas rurais. As gentes simples pontuavam a paisagem. Aprendi sobre sutilezas quando me rendi à melancolia.

terça-feira, 20 de junho de 2017

48 deslumbramentos



As mãos agarradas ao encosto do último banco. Torciam sua borda. O coração batia tão forte e rápido que era possível ouví-lo dentro dos ouvidos. Olhava de um lado para o outro, ansiosa, exultante, um turbilhão. O momento não era aquele, ainda. Todos os olhares estavam sobre mim? Não, nenhum. Ou melhor, apenas um. O Um. A pergunta mal foi ouvida e, energicamente, a mão já estava no alto, acenando a confissão. O coração, aliviado. A salvação (em tudo o que esta palavra abriga) chegou aos 12. 

segunda-feira, 19 de junho de 2017

48 deslumbramentos


Meu sorriso é uma fenda escavada no chão.
Quando eu choro é uma enchente surpreendendo o verão.
Quando eu amo devoro todo o meu coração.
Eu odeio, eu adoro, numa mesma oração. (Chico Buarque)

A noite se apresentava negra e familiar. A única luz emanava da tela da televisão preto e branco na sala. Quieta, em um canto no quarto sem porta, perdida em mim mesma, pensei de súbito: "quero ser grande!"

domingo, 18 de junho de 2017

48 deslumbramentos



A água da torneira do tanque de cimento caía vigorosamente dentro do balde. Um, dois, três, quantidades esquecidas. Minha mãe lavava todos os dias a grande calçada-quintal da casa da infância. Não ouvíamos música no rádio, então, o único som era o do trabalho. Eu, a mais nova, observava o movimento da limpeza da calçada. Ansiosa, esperava. Observava experimentando o cheiro do sabão sobre o cimento que me agradava, a sincronia de vassouras, baldes e rodos também me agradavam. 
Terminado o serviço,  minha mãe sumia casa adentro para outras tarefas. E eu, esperava o agir do sol. Esperava que ele me desse espaço entre o molhado e o seco. Quando finalmente distribuía-se apenas poças que secavam lentamente, eu sentava entre elas e desenhava a minha imaginação.

sábado, 17 de junho de 2017

48 deslumbramentos


No princípio, minha vida era sem forma e vazia. E dissemos (Deus, pais, outros humanos e eu mesma): Haja luz! E houve! Foi a tarde e a manhã, a vida primeira.