As opiniões deste blog não representam, necessariamente, o conjunto dos pastores batistas: homens ou mulheres.

domingo, 15 de junho de 2014

de grão em grão

Capa do meu primeiro livro 

No facebook, Pr. Edvar Gimenez comentou sobre um livro "libertador" no início de sua formação teológica. História boa que me fez lembrar da minha própria lista de livros "perigosos". Podem ser considerados por alguns dessa forma, porque funcionam como fármaco, isto é, adoecem a gente, revelando nossas enfermidades intelectuais, para depois nos curar/libertar.
Lembrei de uma definição de leitor que conheço. O leitor é um "ladrão", pois recolhe sem grande esforço o que outros plantaram e acumularam e transforma em coisa sua. Gosto dessa definição, pois me sinto um pouco assim. Apropriando-me, mesmo que do meu jeito, nas minhas ressignificações e  seleções, da fortuna alheia. De grão em grão, na intenção de me saciar em algum momento.
A imagem dessa postagem é a capa do meu primeiro livro. Lido com avidez aos sete anos. Está comigo hoje, porque minha mãe guardou e tive a sorte de reencontrá-lo. Ele me fez sentir como a menina do conto magistral de Clarice Lispector "Felicidade clandestina".  Desde que o ganhei, alguns livros eu abraço contra o peito, extasiada e liberta como na primeira vez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário