As opiniões deste blog não representam, necessariamente, o conjunto dos pastores batistas: homens ou mulheres.

artigo O jornal Batista

Pastoras, graças a Deus!

"Paulo (chamado apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus), e o irmão Sóstenes,
À igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que em todo o lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso:
Graça e paz da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo." 1 Co 1, 1-3



Quando teólogos e líderes cristãos debatem sobre qualquer tema que envolve as mulheres é perceptível um duplo discurso. Não me refiro à saudável oposição de ideias, nem a dificuldade comum de gerar consensos que os temas de nossos interesses costumam produzir. Falo de um duplo discurso que ora gloria, ora avilta as mulheres, dependendo de qual perspectiva o sujeito está tratando. As mulheres são importantes para a manutenção da espécie humana, para a criação dos filhos e suporte da família; são dignas do plano divino de redenção e são admiráveis por servirem ao Senhor tão contundentemente em igrejas e campos missionários. São importantes, salvas e dignas, mas... até certo ponto. Mulheres não podem ser pastoras!? Quem traçou a linha (e ainda traça) que separa para quais "coisas" as mulheres são dignas, ou capazes de ser e fazer? Quem traçou no ambiente da religião cristã e, mais particularmente, entre os batistas? O poder de "traçar" uma linha de interdição às mulheres está em um "outro", não nas mãos das próprias mulheres. O “outro”  tem a favor de si um "poder outorgado por outros", pela Tradição, pela influência e, às vezes, pelo dinheiro. Este poder de interditar não foi conferido por Deus, é claro, e, por isso, ele pode e deve ser contestado. Mesmo para os crentes mais piedosos, é fácil perceber que os assuntos relativos à fé e ao Sagrado são, na maioria das vezes, tratados também em instâncias humanas, determinadas pela vontade humana. (At 15,28,entre outros). Essa leitura correta e madura da realidade religiosa nos ajuda a "testar os oráculos" e seus porta-vozes. Se parecer para nós que algo sempre foi assim, não significa que devamos acreditar que continuará sempre assim. É preciso discernir o poder.
A escravidão, por exemplo, foi por um longo tempo entendida como "natural", arraigada no imaginário coletivo e legitimada pela religião cristã. Os contextos bíblicos em que ela aparece e, a sua utilização pelos próprios judeus, não conseguiram obscurecer o pressuposto da liberdade humana como um ideal divino. A execração pública da escravidão, então, dependeu de um conjunto de iniciativas, novas leituras bíblicas e muita coragem para enfrentar o instituído tanto na mente do senhor de escravos quanto na mente do próprio escravo. No Brasil, os abolicionistas eram conhecidos como liberais que ameaçavam a hierarquia da sociedade e os valores da família branca e burguesa. Os ânimos dos prós e contras eram inflamados. O argumento de matriz filosófico e teológico mais difícil de ser vencido pelos abolicionistas não era o de saber se negros tinham alma ou não, mas a convicção internalizada de que Deus havia criado os negros inferiores ao homem branco. Eram úteis, capazes de muitos sentimentos valorosos, dignos de realizar inúmeras tarefas, mas nunca poderiam se colocar em situação de liderança sobre nenhum homem branco. Hoje, qualquer cristão pode afirmar sem medo, também como algo "natural", que escravizar um outro ser humano, por causa da cor de sua pele, ofende a criatura e o Criador. Levamos muito tempo para entender que o Senhor é deles e nosso.
2014 poderá ser lembrado como o final de uma longa e perversa resistência a um pressuposto paulino básico para sua teologia da igreja cristã: o ministério na igreja deve ser exercido por aqueles e aquelas que receberam um dom do Espírito Santo com o único objetivo de servir à igreja de Jesus Cristo nas suas múltiplas necessidades (1 Co 12-13,1). O ministério pastoral é um dos muitos ministérios da igreja que devem ser ocupados por pessoas vocacionadas, que receberam um dom, cujo propósito é servir e edificar. Ser pastor ou pastora está, portanto, diretamente relacionado com a compreensão de vocação, de recebimento do dom espiritual. A bíblia diz que o Espírito Santo confere os dons, qualquer um deles, a quem Ele quer, seguindo uma agenda divina própria, incorruptível com os desejos e determinações humanas (1Co 2,12 e ss). Há muitos exemplos bíblicos de como Deus age subvertendo ordens, teologias, religiosidades e moralidades da sociedade. Esse agir de Deus é, este sim, supracultural. Uma espécie de idiossincrasia divina: trabalhar com aquilo que não pode ser e fazê-lo ser (1 Co 1 e 2). Se para Paulo, apóstolo aos gentios, a igreja é um corpo vivo pela ação do Espírito Santo e através do serviço de homens e mulheres vocacionados para variados ministérios, o impedimento ocorrido até agora para a realização tranquila de concílios para exame de mulheres ao ministério da Palavra e suas filiações à agremiação de pastores batistas poderia ser considerado um sério desprezo a forma de agir do próprio Deus ou, quem sabe, ainda, a colocação de determinações e acordos culturais acima da "loucura do Evangelho".
Nesses 15 anos de existência formal de pastoras em nossa querida denominação, tudo foi muito duro. Foi muito difícil ler e ouvir, por exemplo, alguns líderes nos chamando de apóstatas, homossexuais, dissensoras, destruidoras dos valores da família, corruptoras do evangelho, entre outras palavras malditas. Eu não me reconhecia e nem as minhas companheiras de ministério em nenhuma dessas palavras. Amo Jesus Cristo e amo sua Igreja. Por vocação, sirvo a Ele e a igreja. Por convicção, sou batista e respeito minha denominação. Não me reconheço, nem as minhas colegas, em nada que nos ofenderam e nem no desejo de divisão. Pelo contrário, nós, mais do que ninguém, sabemos que "o cordão de três dobras não se quebra tão depressa" (Ec 4,12). E para aqueles que ainda desejam "cartas de recomendação", é preciso dizer que o Espírito Santo e a igreja de Jesus são a nossa carta de recomendação. A decisão da OPBB, portanto, chega atrasada no time de Deus, mas chega. Mas ela ainda pode inaugurar um tempo de reconhecimento e visibilidade institucional às muitas pastoras batistas brasileiras, pastoreando igrejas, e as muitas mais que virão. Nossos colegas podem nos ajudar a superar o tempo “duro”; afirmando com a serenidade paulina que o Senhor é nosso e deles.


Pra. Silvia Nogueira

Nenhum comentário:

Postar um comentário